Sobre a decoração do cravo

Falamos, no nosso último artigo, sobre a história do cravo, com a promessa de trazer também informações sobre a tradição da decoração deste instrumento:

A partir do século XVI, os cravos viram instrumentos de prestígio, muito caros, com uma decoração sumptuosa. Alguns construtores, especialmente os venezianos e os milaneses distinguem-se particularmente pela sumptuosa decoração dos seus instrumentos, como, por exemplo, um instrumento de Annibale dei Rossi, exposto no Victoria and Albert Museum, em Londres, que é decorado com incrustações de marfim e centenas de pedras preciosas.

Por outro lado, a decoração característica da escola flamenga é representada por arabescos e motivos de golfinhos em papel impresso.

Já no século XVII os instrumentos passam a não ser mais reservados exclusivamente para os monarcas e a alta aristocracia, enquanto a decoração se torna um pouco mais simples, exceto por casos especiais.

Michele Todini (1625 - 1681), Metropolitan Museum de Nova York
Michele Todini (1625 – 1681), Metropolitan Museum de Nova York

Michele Todini (1625 – 1681), por exemplo, foi o autor do cravo mais extraordinariamente decorado que chegou até nós, exibido no Metropolitan Museum de Nova York: inteiramente dourado, a faixa curva é decorada com um baixo-relevo representando uma cena da mitologia grega, em vez dos cavaletes, encontramos um incrível grupo escultórico que parece emergir do oceano: três tritões carregam o instrumento, encorajados por duas náiades e seguidos por golfinhos, a base, pintada de verde para representar o mar, repousa sobre as pernas do leão, duas esculturas separadas representam, ainda, o Ciclope Polifemo e a ninfa Galatéia.

A arte do cravo atingiu seu apogeu no século XVIII: o conceito e a construção alcançaram uma incomparável complexidade técnica e perfeição, sob o impulso de construtores extraordinários da França, Alemanha, Flandres e Inglaterra.

Abel Vargas, 2016, cópia de Christian Zell, Alemanha, 1737
Abel Vargas, 2016, cópia de Christian Zell, Alemanha, 1737

 

O cravo de A Trupe Barroca inaugurado em ocasião do Concerto de abertura da Temporada 2018, no 18 de maio, é um instrumento construído por Abel Vargas, em 2016, inspirado num cravo alemão de Christian Zell, de 1737.

 

A grande novidade é que o instrumento foi totalmente decorado, como era comum naquela época, e a inspiração foram as belezas do Estado do Espírito Santo. A tampa, por exemplo, traz uma pintura da baía de Vitória com o Convento da Penha e sobre o tampo harmônico, abaixo da gaiola das cordas, foram pintados vários pássaros e flores do Espírito Santo, como colibris e orquídeas. O trabalho belíssimo foi feito pelo talentoso artista Leonardo Cerante.

Abel Vargas, 2016, cópia de Christian Zell, Alemanha, 1737
Abel Vargas, 2016, cópia de Christian Zell, Alemanha, 1737

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s